Faculdade Católica de Pouso Alegre

A Faculdade Católica de Pouso Alegre, embora seja um fruto maduro colhido apenas na alvorada do século XXI, afunda suas raízes na história da educação sul-mineira e obriga, na busca de suas origens, a remontar à última década do século XIX.

Em 8 de setembro de 1899, foi solenemente inaugurado o Seminário Menor do Sul de Minas, como condição prévia para a instalação do décimo terceiro bispado católico em terras brasileiras, o Bispado do Sul de Minas, criado sob o pontificado do Papa Leão XIII por meio do Decreto da Sagrada Congregação Consistorial Regio Latissime Patens, de 4 de agosto de 1900. O novo Seminário acolhia tanto aspirantes ao sacerdócio quanto outros jovens interessados somente na aquisição de sua formação básica. Todavia, desde os primeiros anos, foram ali também ministrados os cursos superiores eclesiásticos de Filosofia e Teologia, estritamente destinados à preparação do clero. Renomados professores da época, de orientação aristotélico-tomista, assumiram as cadeiras filosóficas e teológicas daqueles cursos.

Em 1927, foi inaugurado o primeiro prédio próprio do Seminário, que hoje serve à Escola Estadual “Doutor José Marques de Oliveira”.

Em 1934, contudo, por determinação da Santa Sé, os cursos de Filosofia e Teologia do Seminário Diocesano de Pouso Alegre foram fechados e seus alunos passaram a estudar no Seminário Maior de Mariana (MG), o que ocorreu até o início da década de setenta.

Em 1962, a Diocese de Pouso Alegre foi elevada à categoria de Arquidiocese pelo Papa João XXIII, através da Bula Pontifícia Qui tanquam Petrus, de 31 de julho daquele ano. Na ocasião, o novo Arcebispo, Dom José D'Ângelo Neto, quase de imediato, providenciou a construção de um novo prédio para o Seminário, numa vasta região afastada da cidade. Em 1968, os alunos de 1º e 2º graus puderam ser transferidos para as novas instalações e, três anos depois, em 1971, também os alunos de Filosofia puderam voltar de Mariana para o curso livre de Filosofia reiniciado em Pouso Alegre.

Reaberto o curso de Filosofia no Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, professores padres, leigos e leigas da região assumiram a responsabilidade pelas disciplinas. O padrão de qualidade mantido nesse curso livre sempre permitiu que seus egressos pudessem convalidar seus estudos - nos termos da legislação vigente na época (Lei 1.051/69 e Parecer CFE 1.009/80) - em faculdades e universidades credenciadas junto ao poder público, como, por exemplo, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, ou que procurassem estudos de pós-graduação stricto e lato sensu em universidades do Brasil e do exterior.

A última década do século XX e os primeiros anos deste século assinalaram grandes avanços para o curso livre de Filosofia do Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, com o incremento da qualificação do corpo docente, a ampliação e a informatização da biblioteca, a aquisição de recursos multimídia e a melhoria das instalações, graças à clarividência e esforço dos reitores Padre Mauro Morais (1988-1995), Padre Antônio Carlos Félix (1996-1999) - hoje bispo diocesano de Luz (MG) -, Padre José Francisco Rezende Dias (2000-2001) - atual bispo diocesano de Duque de Caxias (RJ) -, Padre Jésus Benedito dos Santos (2001 - 2004) e Padre Simão Cirineo Ferreira (2004-...).

Em 21 de março de 1996, os bispos da Província Eclesiástica de Pouso Alegre - Dom João Bergese, Arcebispo Metropolitano de Pouso Alegre; Dom Aloísio Roque Oppermann, SCJ, Bispo Diocesano da Campanha; Dom José Geraldo Oliveira do Valle, CSS, Bispo Diocesano de Guaxupé - com a presença do então Núncio Apostólico no Brasil, Dom Alfio Rapisarda, inauguraram o Instituto Teológico Interdiocesano São José, que passou a oferecer o Curso Livre de Teologia aos candidatos ao ministério ordenado da Igreja Católica e também a agentes de pastoral leigos e leigas.

Entretanto, as mudanças decorrentes da Lei 9.394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e do Parecer CNE/CES 765/99, que tornaram impossível a convalidação dos estudos seminarísticos, levaram o Arcebispo Metropolitano de Pouso Alegre, Dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho, OPraem., a incentivar a idéia da criação de uma instituição de ensino superior que pudesse oferecer regularmente não só um curso de Bacharelado em Filosofia como também um de Bacharelado em Teologia - nos termos do Parecer CNE/CES 241/99 - a fim de que os alunos do Seminário Arquidiocesano não deixassem de obter, após a conclusão de seus cursos, a certificação nacionalmente válida de seus estudos, e que mais e mais pessoas tivessem acesso à sólida formação filosófica e teológica até então oferecida pela centenária instituição do Seminário. Em vista disso, a Arquidiocese de Pouso Alegre instituiu, em 30 de outubro de 2002, a Fundação Educacional Dom José D'Ângelo Neto - FEJAN (CNPJ 05.579.079/0001-70), Mantenedora da Faculdade Católica de Pouso Alegre.

No dia 3 de setembro de 2003, a Fundação Educacional Dom José D'Ângelo Neto, de modo a conferir unidade institucional aos cursos que viriam a ser futuramente autorizados pelo Ministério da Educação, criou a Faculdade Católica de Pouso Alegre, a partir do curso livre de Filosofia do Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre e do curso livre de Teologia do Instituto Teológico Interdiocesano São José.

A Faculdade Católica de Pouso Alegre, como estabelecimento isolado particular de ensino superior, de natureza confessional católica, mantido pela FEJAN e credenciado junto ao Ministério da Educação, constitui, pois, o resultado do sonho, do empenho e do trabalho árduo de muitos que se envolveram com o ideal de sua criação. Plenamente cônscia de seu papel, define como sua MISSÃO fundamental:
"Promover o desenvolvimento do ser humano que a ela se confia, ajudando-o a fazer de si mesmo o verdadeiro cristão-cidadão, respeitoso de sua dignidade de pessoa, consciente de sua vocação e de seu projeto histórico na relação pluridimensional consigo mesmo, com os outros, com a natureza e com Deus, promotor da paz e da justiça, a serviço do bem-comum"